Doença Cardíaca Reumática: O que é, Causas, Diagnóstico, Tratamento e Mais!

Doença Cardíaca Reumática

E-Book Dieta DASH (Grátis)

Baixe agora mesmo seu exemplar do nosso E-Book Dieta DASH e tenha no seu celular, tablet ou computador um dos maiores guias de saúde para o coração do Brasil!

A doença cardíaca reumática ou, como também é conhecida, cardiopatia reumática, descreve um grupo de doenças cardíacas agudas ou crônicas que podem acontecer devido à febre reumática. 

Por sua vez, a febre reumática é uma doença inflamatória que começa com infecções na garganta. Uma das complicações comuns da febre reumática é o dano à válvula mitral do coração.

Causas da cardiopatia reumática? 

Você sabia que qualquer um pode ter febre reumática aguda? Entretanto, ela acontece com mais frequência em crianças que possuem entre 5 a 15 anos de idade. 

Já a cardiopatia reumática ocorre depois de uma febre reumática aguda, que é geralmente uma complicação de uma infecção que ocorre na garganta causada pela bactéria Streptococcus pyogenes. 

Por volta de 60% dos indivíduos com febre reumática, desenvolvem, um tempo depois, certo grau de doença cardíaca.

Mecanismo fisiológico da cardiopatia reumática?

Tanto o pericárdio (revestimento da parte externa do coração) quanto o endocárdio (revestimento da parte interna do coração) e as válvulas cardíacas, podem sofrer danos por causa da inflamação que a febre reumática aguda causa. 

Contudo, a mais comum doença cardíaca reumática traz danos às válvulas cardíacas, principalmente, a valva mitral. 

Vale ressaltar que, o dano na válvula pode ser desenvolvido mesmo depois de anos que você tenha sofrido com a febre reumática. 

Principais características clínicas da cardiopatia reumática?

Em boa parte dos casos, por mais que o coração seja afetado, a cardiopatia reumática costuma não causar sintomas.

Caso tenha sintomas, eles podem sofrer variações e, muitas vezes, não são perceptíveis de modo fácil. 

Contudo, quando os sintomas aparecem com mais evidência, eles variam de intensidade conforme a extensão e localização dos danos causados ao coração. 

Geralmente, os sintomas da febre reumática aparecem cerca de 14 dias depois do início de uma infecção mal tratada na garganta. 

Em relação às crianças, além de sentirem dores na garganta, sentem febre.

Quando uma criança é infectada, ela pode sofrer com articulações dolorosas, avermelhadas e inchadas, que podem desaparecer depois de 1 ou 2 dias e aparecer novamente em outra articulação.

Apesar de não serem comuns, erupções cutâneas de curta vida podem ocorrer.

Diagnóstico da cardiopatia reumática?

A primeira coisa a se fazer no diagnóstico da doença cardíaca reumática é informar se a criança teve alguma infecção por estreptococos, recentemente. 

Isso porque, ao chegar no médico, é possível que os sinais da infecção já tenham desaparecido.

Com isso, o paciente e os seus parentes vão precisar lembrar se, recentemente, tiveram alguma dor de garganta ou demais sintomas de uma infecção por estreptococos. 

É possível que o médico solicite um exame de sangue e uma cultura da garganta, ou os dois, para analisar se houve ou se há presença de anticorpos anti-streptococcus. 

Na história clínica e no exame físico, o médico vai pesquisar sintomas e sinais de febre reumática. 

Também, vai ouvir o coração do paciente para analisar se existem ritmos anormais. 

Além disso, há testes que podem ser utilizados para a avaliação de danos cardíacos, como:

  • Radiografia de tórax, para verificar o tamanho do coração e analisar se existe excesso de líquido no órgão e/ou nos pulmões; e 
  • Ecocardiograma, para a criação de uma imagem em movimento do coração e medição de seu tamanho e forma.

Tratamento da doença cardíaca reumática? 

Os cuidados da doença cardíaca reumática buscam tratar a febre reumática como forma de frear o desenvolvimento de uma cardiopatia reumática

Não vai ser sempre que a febre reumática vai causar danos nas valvas cardíacas (valva mitral ou valva aórtica), o que acabaria resultando na cardiopatia reumática. 

Existe a possibilidade de que anos mais tarde, a valva mitral acabe se tornando estreitada, condição chamada de estenose mitral.

Como tratamento da febre reumática aguda, o médico pode solicitar o uso de antibióticos para que a infecção seja tratada.

Outros medicamentos serão utilizados para o alívio da inflamação do coração e de outros órgãos. 

Quando a doença aguda desaparecer, o paciente deve tomar penicilina ou um antibiótico por diversos anos para prevenir recorrências. 

É de suma importância este tratamento, pois há risco que haja dano na válvula cardíaca com a repetição da febre reumática. 

Caso o dano seja leve, não vai ser necessário tratamento; porém, se for grave, pode ser necessário realizar uma cirurgia para reparar a válvula danificada. 

Em último caso, se a válvula tiver sofrido muito dano, pode ser que seja preciso substituí-la por uma válvula artificial.

Como prevenir a cardiopatia reumática? 

O melhor modo de prevenção da febre reumática é tratar a faringite estreptocócica com antibióticos prescritos pelo médico.

É preciso ter em mente que, se você ou algum conhecido estiver sentindo qualquer sintoma suspeito, é necessário procurar o Médico Cardiologista Dr. Diogo Kalil no DF para o diagnóstico e para encontrar o tratamento ideal.

Doença reumática cardíaca: um problema geral

Como já foi mencionado no texto, a doença cardíaca reumática é uma sequela causada pela febre reumática aguda.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Federação Mundial do Coração (FMC) solicitaram uma diminuição de 25% nas mortes cardiovasculares, incluindo a doença cardíaca reumática, até 2025.

O New England Journal of Medicine fez a publicação do Global Burden of Disease Study (GBDS) 2015, pelo qual, foi estimada a carga regional, nacional e mundial da cardiopatia reumática para todos os anos de 1990 até 2015.

A doença cardíaca reumática é conhecida por ser um dos maiores danos cardiovasculares do século XX. 

Quando houve melhoria de vida e uso da penicilina, em 1980, a doença quase foi totalmente erradicada do mundo.

Nos países que ainda estão se desenvolvendo, a doença vem sendo mantida como uma força a ser considerada de acordo como foi exposto pelo GBDS de 2015.

A estimativa da doença de 33,4 milhões de pessoas infectadas ao redor do mundo é 2x maior do que foi estimado em 2005 por meio de uma revisão sistemática da literatura.

A quase erradicação da doença cardíaca reumática fez com que houvesse negligência por parte dos países desenvolvidos nos últimos anos.

Quando estão na faculdade, os estudantes de medicina em países desenvolvidos não costumam ver uma criança com febre reumática aguda.

Essa situação tem contraste juntamente com o envolvimento com demais doenças infecciosas como malária, HIV e tuberculose, por exemplo.

Em 2013 a mortalidade mundial por malária foi de 854.600. Em relação aos gastos em pesquisas: 533 milhões de dólares.

Enquanto isso, a febre reumática matou 275.100 pessoas. O dinheiro investido em pesquisas foi de somente 900 mil dólares.

Por mais que a doença cardíaca reumática seja uma preocupação dos países pobres e dos subdesenvolvidos, os países desenvolvidos não podem, de modo algum, ficar negligenciando a cardiopatia reumática

É válido informar que, no decorrer das últimas décadas, vem sendo gerados surtos da doença cardíaca reumática em países desenvolvidos.

Não esqueça! Ao perceber qualquer sintoma, procure um médico cardiologista no DF para saber melhor sobre a doença, e, se for o caso, tratá-la da melhor maneira possível.

Enfim, espero que tenha gostado e aprendido mais com o post sobre doença cardíaca reumática. 

Acompanhe os demais artigos do blog para que você saiba como se prevenir e, caso contraia alguma doença, saiba o que fazer quando tiver sintomas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Precisa de Ajuda?

Marque sua consulta!

Fale no WhatsApp

Matérias relacionadas

Aneurisma da aorta abdominal
Doenças cardíacas
Aneurisma da Aorta Abdominal

Dentre os aneurismas da aorta existentes, o aneurisma da aorta abdominal é o mais frequente e acontece na parte intra-abdominal, ou seja, dentro do abdómen.