Doença Arterial Periférica: O que é? Sintomas, Causas, Tratamento.

Doença Arterial Periférica

E-Book Dieta DASH (Grátis)

Baixe agora mesmo seu exemplar do nosso E-Book Dieta DASH e tenha no seu celular, tablet ou computador um dos maiores guias de saúde para o coração do Brasil!

Caso você esteja preocupado consigo mesmo e não saiba o que fazer ao perceber sintomas da doença arterial periférica, fique calmo. 

Vou mostrar tudo sobre essa que atinge diversas pessoas no Brasil. 

Dentre os pontos que o artigo vai abordar estão: o que é doença arterial periférica (DAP), quais são os principais sintomas, como confirmar o diagnóstico, possíveis causas, prevenção e como é o tratamento da doença.

O que é a doença arterial periférica?

A doença arterial periférica (DAP) é uma doença conhecida por diminuir o fluxo sanguíneo nas artérias, em decorrência de um estreitamento desses vasos.

Com isso, traz grandes problemas aos pés e pernas, e, também, causa sintomas como: 

  • Fortes dores;
  • Cãibras;
  • Dificuldade de andar; 
  • Palidez nos pés;
  • Criação de úlceras; e, até
  • Risco de necrose do membro afetado.

Conhecida também pela sigla DAP, a doença arterial periférica, como foi dito, se dá pelo acúmulo de gorduras nos vasos sanguíneos (aterosclerose).

Os indivíduos que possuem maiores riscos de desenvolver a doença arterial periférica são os portadores de diabetes, fumantes, pessoas com colesterol elevado ou com hipertensão, por exemplo.

A doença arterial periférica (DAP) traz prejuízo à circulação sanguínea nas pernas e causa, entre outras coisas, dor ao caminhar. 

Na maioria das vezes, a obstrução acontece quando existe acúmulo de placas de gordura.

Em razão disso, a passagem do sangue vai se estreitando até que se fecha por completo. 

E, em última instância, o bloqueio pode causar até amputações dos membros.

Esse quadro também é uma demonstração de que existe alguma coisa errada com os outros vasos sanguíneos do corpo. 

Tanto é que as pessoas que possuem doença arterial periférica têm risco 60% maior de desenvolver entupimentos nos vasos responsáveis por irrigar o cérebro e o coração. 

Daí, o perigo de Acidente Vascular Cerebral e infarto dispara. 

Principais sintomas

Aos que estão com a doença arterial periférica, nem sempre possuem sintomas e, em diversos casos, ela pode se desenvolver silenciosamente e se manifestar só quando se agrava. 

Contudo, dentre os sintomas mais comuns, pode-se citar:

  • Dores nas pernas ao andar, mas que diminui em repouso, também conhecida como claudicação intermitente. Ela pode surgir à medida que a doença se agrava;
  • Fadiga nos músculos dos membros inferiores;
  • Sensação de frio, dormência ou cãibra nas pernas e pés;
  • Queimação ou nas pernas, principalmente na panturrilha;
  • Alteração nos pulsos arteriais e pele mais fina nos membros afetados;
  • Criação de úlceras arteriais em casos mais graves.

Os sinais e sintomas, podem sofrer piora no decorrer do sono à noite quando os membros estiverem para o alto, porque isso diminui mais ainda o fluxo sanguíneo para as pernas e os pés.

Você sabia que a aterosclerose pode trazer danos aos vasos sanguíneos de todo o organismo? 

Em razão disso, pessoas que têm doença arterial periférica também possuem maiores chances de desenvolver demais doenças cardiovasculares, tais como: infarto, AVC, angina, trombose, etc.

Se porventura você estiver com qualquer um desses sintomas, é importante que vá a um médico especializado para que uma análise clínica seja feita.

Após a análise, é o momento da realização do diagnóstico para saber, realmente, se possui a doença arterial periférica ou não. 

Caso o diagnóstico seja positivo, é necessário iniciar com o melhor tratamento, o mais rápido possível.

Como confirmar o diagnóstico

A melhor maneira para realizar a identificação da doença arterial periférica é por meio de uma avaliação clínica do médico cardiologista no DF que observará os sintomas do paciente e o exame físico do membro que foi afetado. 

Além disso, há possibilidade do médico solicitar alguns exames, como: 

  • Medida da pressão nos membros; 
  • Realização de ultrassom com doppler; ou
  • Angiografia com o objetivo de auxiliar na confirmação do diagnóstico.

Possíveis causas

O principal fator responsável por causar a doença arterial periférica é a aterosclerose, pelo qual, o acúmulo de gordura nas paredes dos vasos sanguíneos provoca o seu endurecimento, diminuição e estreitamento do fluxo do sangue. 

Dentre os fatores de risco existentes para a aterosclerose, pode-se citar:

  • Pressão arterial elevada;
  • Colesterol elevado;
  • Sedentarismo;
  • Alimentação rica em gorduras, sal e açúcar;
  • Excesso de peso;
  • Diabetes;
  • Tabagismo;
  • Doença cardíaca. 

Contudo, há demais causas que provocam a doença, como: embolismo, trombose, displasia fibromuscular, vasculite, doença adventícia cística, compressão, ou traumatismo do membro

Prevenção da doença arterial periférica 

Mudanças no estilo de vida tornam os vasos sanguíneos saudáveis por mais tempo. 

Parar de fumar, controlar a glicemia e a pressão arterial são exemplos de atitudes saudáveis que contribuem para a prevenção da doença. 

Atividades físicas melhoram a circulação sanguínea, são responsáveis por combater processos que levam à doença arterial periférica como hipertensão e obesidade.

Assim como para a maioria das outras, seguir uma dieta equilibrada ajuda na prevenção da DAP.

Legumes, verduras e frutas possuem ação anti-inflamatória e antioxidante que contribui para a saúde dos vasos sanguíneos.

Entretanto, é preciso tomar muito cuidado ao ingerir alimentos com muito sódio, gorduras saturadas e açúcar. 

Como é realizado o tratamento

Para o tratamento da DAP, o médico especializado te orientará a realizar terapias e medicamentos para a diminuição ou para evitar a piora da obstrução dos vasos sanguíneos, como AAS, Cilostazol ou Clopidogrel, por exemplo.

Além disso, é possível que ele solicite o uso de medicamentos para controlar a hipertensão, colesterol alto e diabetes, sendo importante também a mudança de hábitos ruins por saudáveis. 

Entretanto, o tratamento da doença arterial periférica com cirurgia é indicado para indivíduos com graves sintomas, que não melhoraram com os medicamentos ou que possuem falta de circulação grave nos membros inferiores e/ou superiores.

Na maioria dos casos, o tratamento para a DAP proposto pelo médico vai indicar apenas a utilização de medicamentos.

Dentre os remédios, pode-se citar:

  • Aspirina que ajuda a evitar a formação de trombos no sangue e obstrução nos vasos sanguíneos;
  • Cilostazol, que auxilia na dilatação das artérias afetadas para casos graves;
  • Analgésicos para alívio das dores. 

Além disso, é de suma importância controlar fatores de risco e melhorar os hábitos de vida para a doença arterial periférica, como: 

  • Perder peso; parar de fumar;

Praticar exercícios físicos com regularidade (ao menos 30 minutos todos os dias);

  • Seguir uma dieta equilibrada;
  • Além de realizar o tratamento ideal para o controle da diabetes, pressão alta e colesterol.

Desta maneira, há possibilidade de diminuição da piora da aterosclerose e das placas de gordura nas artérias.

Com isso, os hábitos saudáveis combatem a piora da doença arterial periférica e o desenvolvimento de demais doenças cardiovasculares, como: infarto, AVC e angina, como por exemplo.

Caso o tratamento com medicamentos não dê certo ou o estreitamento das artérias esteja grave, o médico especializado irá encaminhar o paciente para a realização de uma cirurgia. 

É de extrema importância procurar o Dr. Diogo Kalil caso você esteja com qualquer sintoma da doença arterial profética

Pois, somente um médico é capaz de diagnosticar e passar o tratamento ideal ao paciente.

Espero que você tenha entendido tudo sobre a doença arterial periférica.

Acompanhe os demais artigos do blog para estar mais por dentro de como se prevenir de doenças cardíacas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Precisa de Ajuda?

Marque sua consulta!

Fale no WhatsApp

Matérias relacionadas

Aneurisma da aorta abdominal
Doenças cardíacas
Aneurisma da Aorta Abdominal

Dentre os aneurismas da aorta existentes, o aneurisma da aorta abdominal é o mais frequente e acontece na parte intra-abdominal, ou seja, dentro do abdómen.